Trilha

Videoarte, 3 min, vencedora do Prêmio Flavio Gagliardi de Artes Visuais, 2021

O vídeo exibe uma série de experimentos impressos, produzidos a partir de uma releitura das técnicas de marbling e suminagashi.  As técnicas têm em comum o procedimento de desenhar com tinta sobre a superfície da água, colocada dentro de um recipiente. Em seguida, insere-se um pedaço de papel, a fim de fixar a imagem. 

O procedimento tem por princípio criar um registro visual com a tinta e repelir a mesma com outro agente, formando sinais intercalados. Após uma série de testes, os materiais foram adaptados com o que havia de mais disponível: tinta para carimbo, tinta esmalte, óleo de cozinha e detergente. O papel, quando mergulhado, registra um rastro de sua passagem, uma trilha do processo de sua criação.

 Na obra, as mais de 400 imagens produzidas são combinadas com uma trilha de áudio, que capta o som de uma impressora matricial durante um trabalho de impressão. O som combinado às imagens colabora para a criação de novos nexos, reforçando os movimentos rápidos da montagem de vídeo.

O trabalho é parte de uma pesquisa empreendida desde 2017, centrada na investigação da imagem impressa por meio de procedimentos experimentais, valendo-se de objetos de uso cotidiano. O trabalho reflete sobre a natureza ao mesmo tempo  fugidia e permanente das imagens, a memória como parcela tangível, rastro de uma experiência, e sobre o gesto da criação que captura, fixa, reorganiza e remonta.