balanço blue

poesia (zine). edição independente, 2017.

balanço blue
meu grande escudo
era um brinquedo.
o dia em que fui descoberta
quis chorar mas não chorei.
como ontem e todas as vezes
que me sinto sozinha.
isso não é um lamento,
é uma prece baixinha
pra ninguém ouvir.
como quem agradece por ter
sobrevivido.

cheiro de naftalina do apartamento da Bárbara
primeiro andar
edifício ana sílvia.
um tempo de liberação
não sei se liberdade.
ela era magrela e alta
falava palavrão.
o mercado ficava a duas quadras
eu sempre voltava pra casa pensando
uma quadra já foi
só falta mais uma.
a banca era mais longe
aí eu já nem pensava em mais nada.

o chão que toquei com os pés
hoje está inundado.
um rio de certezas
que deságua no mar.
tenho andado à deriva
entre a fúria e a sede.
feeds infindáveis
incontáveis maneiras
de dizer a mesma coisa.
me espremo faço força
e não me encaixo.
invento formas em seguida
tropeço embaraço
sem perceber, caio.
parece o fim
mas é só uma nova
fina
camada de mim.

acordo acelerada.
uma lembrança forte com cheiro de fruta podre
só uma certeza
nunca mais pisarei naquele lugar.
todo acúmulo de riso gasto
amarelas casas que me abrigaram
folhas e folhas que rasgaram com o tempo
preciso dar um jeito nisso.
então eu apago as luzes da minha cabeça
ajeito um resto de coberta pra cima dos pés gelados
viro em direção à parede
e volto a dormir.

olhos verdes cor de sol
você me olhou diferente.
hoje eu lembrei dos detalhes
a gente na parada
pressionando a grade
com a força do seu corpo
algum resquício de adolescência.
ontem
alguns outonos depois
meus olhos não tiveram tempo
para o lugar exato da despedida.
aquela cidade era horrível
mas o portão tinha cor de mel.

thereza,
sinto não termos conversado mais
você gostava de ler e eu também
hoje nem sei no que você se tornou.
por alguns momentos
confesso que preferi
mil vezes
aquela nossa versão verde e curiosa.

sou limoeiro. minha afirmação vem da terra.
morros de palavras caídas acumuladas.
vestes amarronzadas pura queda. e brilho.
tem brilho também. só não sei de onde vem.