INVISÍVEL EM TRÊS ATOS


Impressão jato de tinta, água e detergente sobre papel transparência. 21x21cm.
2020

Um corpo físico que não tem frequentado a esfera pública, que não vê e não é visto, o medo de desaparecer e os rituais obsessivos de limpeza são temas recorrentes em conversas com amigos e familiares durante o isolamento vivido na pandemia do coronavírus. Um autorretrato impresso em tinta vermelha sobre papel transparência é borrifado com água e detergente. A ação provoca a dissolução parcial da imagem, revelando uma nova, que lembra uma análise de laboratório, vista em microscópio. A imagem inicial, fruto deste período, é resultado de uma fotoperformance realizada com uma cadeira desmontável e também remete à imobilidade e confinamento.